MINI-ARTIGOS SOBRE AS ESPÉCIES

Nesta secção encontram-se mini-artigos sobre as espécies, de forma sucinta e clara, ficamos a conhecer um pouco mais sobre a nossa fauna. Ilustrados com as melhores fotografias da espécie.

AS MINHAS MISSÕES

Ao contrário dos artigos, nas missão explico como consegui fotografar as espécies (ou observar). O que sofri e as peripécias para as conseguir fotografar tranquilamente e sem as perturbar.

TRUQUES E DICAS

Nesta secção poderá encontrar alguns truques e dicas sobre fotografia de vida selvagem e de natureza, desde as técnicas utilizadas na máquina como algumas das técnicas utilizadas no terreno.

ABRIGOS

Para além dos vários truques, existem também alguns abrigos já montados que podemos frequentar em Portugal e outros tantos em Espanha. Serão apenas colocados abrigos que tenha frequentado.

PROJETOS

Os vários projetos que tenho realizado, desde panfletos, livros, workshops, entre outros.

UM MÊS...UMA AVE

A Fundação Calouste Gulbenkian com o apoio científico da Fundação Luis de Molina e da Universidade de Évora apresenta nos jardins da fundação em Lisboa o projeto "UM MÊS...UMA AVE". Todos os meses foi apresentada uma espécie presente nos jardins da Fundação Calouste Gulbenkian. A lista de espécies do primeiro ano está terminada.

Canal Youtube onWILD

Novo canal no youtube destinado apenas a filmagens de vida selvagem. Subscrevam.

Definições Canon 7D Mark II

As definições que utilizo na minha máquina para a fotografia de aves.

sábado, 17 de novembro de 2012

Artigo: Mocho-galego


EXIF  F/8  1/160  ISO-400
500mm  10m

O mocho-galego (Athene noctua) é uma pequena ave de rapina da família Strigiformes. Habita planícies e colinas não habitadas pelo ser humano, mas também áreas agro-pastoris, prados e até pequenos estabelecimentos rurais (de pequena dimensão, como herdades na zona do Alentejo). Esta espécie cosmopolita encontra-se distribuída por toda a Eurásia, no norte e este de África, na Arábia, no sul do Irão, no norte da China, entre outros.

EXIF  F/11  1/400  ISO-320
500mm  25.7m

Os mochos-galegos encontram-se ativos tanto durante o dia como durante a noite, no entanto, eles caçam sobretudo no crepúsculo e durante a noite. No verão também se alimenta durante o dia, especialmente em zonas abertas. São aves de rapina generalistas, não existindo nenhuma presa especifica em que se tenham especializado. Durante a época de reprodução, o mocho-galego alimenta-se maioritariamente de invertebrados (escaravelhos e gafanhotos), sendo o resto da sua dieta constituída por mamíferos (roedores), répteis e algumas aves (de pequeno porte). No entanto, são os mamíferos que lhes fornecem a maior quantidade de biomassa, e os invertebrados os que são consumidos em maior quantidade (cerca de 8/10) representam uma pequeníssima porção da biomassa consumida (1/10).
 

EXIF  F/8  1/250  ISO-500
500mm  7.9m Flash

O mocho-galego é uma espécie territorial, expulsando os competidores através da combinação de chamamentos, ameaças e ataques. Ao controlarem um território beneficiam do acesso exclusivo a recursos como a alimentação, parceiros e locais de nidificação. Para manter estes territórios existem variados custos individuais, como a perda de tempo, custos energéticos necessários para sinalizar, patrulhar o território e perseguir outros competidores. Mas também há um aumento dos riscos de predação e de morte, por vezes a ave pode ficar com ferimentos quando o combate é desenlace de encontros com outros competidores.
 

EXIF  F/8  1/1000 ISO-500
500mm  25.7m

Existem vários fatores de mortalidades não naturais, a principal e mais estudada, é a mortalidade por atropelamento (trafego automóvel), no entanto, a caça também constitui um importante fator de mortalidade. A captura ou remoção de crias dos ninhos é também uma prática ilegal (e em expansão). Tanto para a caça, como para a captura, os valores podem estar subestimados, isto porque é mais simples descobrir indivíduos mortos nas estradas do que descobrir estas práticas ilegais.
 

EXIF  F/8  1/250  ISO-400
500mm  10m  Flash

Uma outra causa de mortalidade é a contaminação com substâncias toxicas. Existem vários casos de mochos-galegos com elevadas concentrações de metais pesados, sugerindo a possibilidade de exposição cronica. Os metais pesados mais comuns são o chumbo, o crómio e o cadmio. Estes metais pesados de uso industrial e baixa reatividade química são responsáveis pela maioria das contaminações ambientais e são também responsáveis por fenómenos de bioampliação porque podem ser facilmente transmitidos pelo ar, agua ou alimentos, e facilmente sobem na cadeia alimentar. Nos predadores não migradores é facilmente observado o processo de bioampliação pois possuem elevados valores dos contaminantes (metais pesados).

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Missão: Golfinho-comum


EXIF  f/8  1/2000  ISO-500
403mm  25.7

 
Realizar uma saida de barco para observar e fotografar aves, mas surgirem golfinhos não é novidade. Os animais adoram pregar-nos destas partidas, isto sem contar, que o equipamento para fotografar aves é completamente diferente do utilizado para fotografar cetáceos. Uma ave poisada à superfície da água e relativamente perto do barco ocupa apenas uns 40 centímetros, já um golfinho a nadar juntamente com o barco ocupa entre 2 a 4 metros, usando o equipamento para fotografar aves e apenas fotografo o olho do golfinho, isto se o conseguir encontrar. Por isso, imaginem a frustação de estar equipado para fotografar aves e surgirem golfinhos ou baleias.

EXIF  f/8  1/1000  ISO-500
150mm  11.3m

O maior problema que os cetaceos trazem aos fotografos é a sua vontade de dar "show". Enquanto se deslocam para alimentar raramente dão saltos fora de água, colocam apenas o espiráculo para respirar e pronto. A maioria das fotografias que se obtêm é apenas uma cabeça enorme e uma barbatana dorsal, o olho fica normalmente debaixo de água ou com uma camada enorme de água. As melhores fotografias são tiradas quando eles andam na brincadeira e dão saltos constantemente, mas para isso são precisas muitas horas no "mar" ou muita sorte (como eu não tenho nem uma nem outra). O golfinho-comum, Delphinus delphis, é uma das espécies de cetáceos que prefere não colocar o olho de fora.

EXIF  f/8  1/1250  ISO-500
135mm  7.7m