MINI-ARTIGOS SOBRE AS ESPÉCIES

Nesta secção encontram-se mini-artigos sobre as espécies, de forma sucinta e clara, ficamos a conhecer um pouco mais sobre a nossa fauna. Ilustrados com as melhores fotografias da espécie.

AS MINHAS MISSÕES

Ao contrário dos artigos, nas missão explico como consegui fotografar as espécies (ou observar). O que sofri e as peripécias para as conseguir fotografar tranquilamente e sem as perturbar.

TRUQUES E DICAS

Nesta secção poderá encontrar alguns truques e dicas sobre fotografia de vida selvagem e de natureza, desde as técnicas utilizadas na máquina como algumas das técnicas utilizadas no terreno.

ABRIGOS

Para além dos vários truques, existem também alguns abrigos já montados que podemos frequentar em Portugal e outros tantos em Espanha. Serão apenas colocados abrigos que tenha frequentado.

PROJETOS

Os vários projetos que tenho realizado, desde panfletos, livros, workshops, entre outros.

UM MÊS...UMA AVE

A Fundação Calouste Gulbenkian com o apoio científico da Fundação Luis de Molina e da Universidade de Évora apresenta nos jardins da fundação em Lisboa o projeto "UM MÊS...UMA AVE". Todos os meses foi apresentada uma espécie presente nos jardins da Fundação Calouste Gulbenkian. A lista de espécies do primeiro ano está terminada.

Canal Youtube onWILD

Novo canal no youtube destinado apenas a filmagens de vida selvagem. Subscrevam.

Definições Canon 7D Mark II

As definições que utilizo na minha máquina para a fotografia de aves.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Lontras-europeias - Parte II

Desde miúdo que assisto a documentários da BBC e da National Geographic, e desde essa altura que sonho em realizar o meu próprio documentário. Mas por motivos monetários e relacionados com a minha jovem idade, sempre foi muito difícil poder concretizar este sonho. Achei que o melhor ponto de partida seria começar a registar a vida selvagem e por isso adquiri a minha primeira máquina fotográfica digital em 2006, trazia um conjunto de lentes que deixava a desejar mas foi com ela que aprendi os mais variados truques e aprendi a “trabalhar” com a máquina e deixar o automático completamente de lado. Mais recentemente adquiri uma máquina que para além da fotografia também permite filmar, este upgrade ajudou a melhorar a qualidade das minhas fotografias e permitiu-me evoluir pessoalmente e começar a procurar novos assuntos e novos ângulos. E também me permitiu estrear na realização de pequenas filmagens (e de treinar), algo que nunca tinha tido oportunidade de o fazer até então.
Outro grande sonho, de qualquer fotógrafo, é a observação de mamíferos. E um desses mamíferos é precisamente a lontra-europeia, Lutra lutra, a qual quase todos desenvolvem uma relação amor/ódio devido à difícil tarefa que é observá-las, quanto muito registá-las numa fotografia. Vamos para o campo e vemos dejectos e pegadas, mas nem sinal delas. Quando finalmente as avistamos só vemos uma cabecinha a mergulhar e a desaparecer por completo.
Mas eis que algo de extraordinário acontece, num belo final de dia quando estava em passeio me deparei com várias lontras ao longe a “lutar” ou a “brincar” entre elas, ficou uma dúvida no ar, seria este o território delas ou estavam apenas de passagem? Alguns dias depois, montei o abrigo perto de onde as tinha observado mas não encontrei as lontras, apenas dois guarda-rios que pararam mesmo à minha frente. As lontras, estariam apenas de passagem, virei a minha atenção para o guarda-rios e em fotografá-lo. Num outro final de tarde, montei o abrigo para fotografar o guarda-rios mas este teimou em aparecer quando a noite já se estava a instalar e não consegui nenhuma fotografia como desejava, decidi que na manha seguinte tentaria de novo e tentaria compreender que locais são os que ele gosta de parar para mais tarde fotografá-lo.
Mas ao invés de fotografar o guarda-rios voltei a encontrar as lontras, e pude ficar horas a observá-las e a estudá-las como biólogo. Verifiquei que uma delas era o macho, por apresentar um comportamento mais solitário ficando a sozinho e afastando-se das outras lontras. Raramente saia de dentro de água e possuía excelentes capacidades de caçador.
Enquanto a progenitora fica encarregue de educar e alimentar as duas crias, que são bastante brincalhonas e adoram sair da água e dar uns mergulhos. Elas apresentam já alguma autonomia e conseguem capturar alguns peixes, mas continuam bastante dependentes da sua progenitora. Observa-se muitas vezes que quando a progenitora mergulha as crias seguem-na para a observar a capturar o alimento, mas depois partem para mais brincadeiras e por vezes são repreendidas pela progenitora e voltam a prestar alguma atenção nas suas caçadas.