MINI-ARTIGOS SOBRE AS ESPÉCIES

Nesta secção encontram-se mini-artigos sobre as espécies, de forma sucinta e clara, ficamos a conhecer um pouco mais sobre a nossa fauna. Ilustrados com as melhores fotografias da espécie.

AS MINHAS MISSÕES

Ao contrário dos artigos, nas missão explico como consegui fotografar as espécies (ou observar). O que sofri e as peripécias para as conseguir fotografar tranquilamente e sem as perturbar.

TRUQUES E DICAS

Nesta secção poderá encontrar alguns truques e dicas sobre fotografia de vida selvagem e de natureza, desde as técnicas utilizadas na máquina como algumas das técnicas utilizadas no terreno.

ABRIGOS

Para além dos vários truques, existem também alguns abrigos já montados que podemos frequentar em Portugal e outros tantos em Espanha. Serão apenas colocados abrigos que tenha frequentado.

PROJETOS

Os vários projetos que tenho realizado, desde panfletos, livros, workshops, entre outros.

UM MÊS...UMA AVE

A Fundação Calouste Gulbenkian com o apoio científico da Fundação Luis de Molina e da Universidade de Évora apresenta nos jardins da fundação em Lisboa o projeto "UM MÊS...UMA AVE". Todos os meses foi apresentada uma espécie presente nos jardins da Fundação Calouste Gulbenkian. A lista de espécies do primeiro ano está terminada.

Canal Youtube onWILD

Novo canal no youtube destinado apenas a filmagens de vida selvagem. Subscrevam.

Definições Canon 7D Mark II

As definições que utilizo na minha máquina para a fotografia de aves.

domingo, 27 de setembro de 2009

Galinha de Água



A galinha de água, Gallinula chloropus, é uma ave aquática muito assustadiça, e normalmente "pode-se ouvi-la, mas não se pode vê-la". Reproduz-se em pequenos lagos, lagoas, charcos e rios cobertos por vegetação densa. Por vezes é possivel observá-la na relva em espaços abertos. Possui o tamanho de um pombo, patas e dedos verdes e grandes e o bico vermelho com a ponta amarela. Anda com a cauda levantada e a abanar, abanando também a cabeça quando nada. Os juvenis possuem coloração castanho-acinzentado. São por vezes dificeis de fotografar, porque fogem num instantinho, mas são muito divertidas de ver...
Bibliografia:
Mullarney, K., Svensson, L., Dan Zetterström, Grant, P. J. (2003) Guia de Aves – Guia de Campo das Aves de Portugal e Europa. Assírio & Alvim, Lisboa
.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Em pleno Voo...



Ai está algo que às vezes se pode tornar num quebra cabeças, fotografar aves em pleno voo. Quando se usa uma objectiva de "pouco" alcance até parece fácil porque a ave ocupa uma pequena parte da fotografia, mas quando se usa essa mesma objectiva e as aves voam a apenas 2-3 metros de distância a coisa torna-se séria, porque elas passam por nós a grande velocidade.

Nas fotos é possivel observar um Garajau-Comum (Sterna sandvicensis) embora a foto acima me "pareça" de um juvenil por ainda não possuir a ponta do bico de cor amarelada, o que já se verifica no exemplar da foto à direita.

Garajau-Comum
Sandwich Tern
Sterna sandvicensis

Possui um bico característico, parecendo a ponta de um lápis. Alimenta-se sobretudo de peixes e realiza mergulhos rápidos, com batimentos bem calculados e poderosos das asas.

Bibliografia



Mullarney, K., Svensson, L., Dan Zetterström, Grant, P. J. (2003) Guia de Aves – Guia de Campo das Aves de Portugal e Europa. Assírio & Alvim, Lisboa.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Libelinha

Lagoa dos Salgados (2009-09-10)

Eu adoro esta sequência de fotografias, embora esta primeira não esteja muito bem focada, mas fica a ideia para uma nova sequência de fotografias. O efeito da primeira foto foi devido à posição do sol, que batia de lado nas asas e as fazia brilhar, era preciso estar a um certo ângulo, e como toda a gente que já viu libelinhas sabe que elas simplesmente não param quietas, ou seja, era só apontar, focar e disparar.

Libelinha (macho)
Lesser emperor (male)
Anax parthenope
Os machos vagueam por charcos ou lagos com vegetação, e são territoriais. São grandes insectos, a banda azul extende-se pelos lados do abdomen, os seus olhos sao verdes (em oposição a castanhos) e o abdomen é de coloração verde-acastanhado.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Lagoa dos Salgados

Galeirão (Fulica atra)



O algarve é um óptimo local para fotografar e observar aves e outros animais. O primeiro local foi a lagoa dos Salgados, foi a primeira vez que lá estive e recomendo. Os galeirões andavam por baixo da ponte de madeira que lá existe, ou seja, estavam muito perto mesmo, às vezes até demais. Muitas das vezes nem sabia para que lado me virar, porque eles andavam por ali de um lado para o outro.

Galeirão
Eurasian Coot
Fulica atra

Reproduz-se em lagos ou rios lentos com muita vegetação e o ninho é um monte de caniços secos contruído à beira de caniçais. Defende o território corajosamente, atacando os intrusos.

É facilmente indentificado por possuir um corpo largo, cauda curta e pequena e a cabeça arredondada. O corpo possui uma coloração cinzento e cabeça preta com o bico e a placa da fronte de coloração branca.

Nada acenando ligeiramente com a cabeça. Mergulha dando um pequeno salto, emergindo logo a seguir. Quando levanta voo, corre com as patas a chapinhar na superficie da água.


Bibliografia
Mullarney, K., Svensson, L., Dan Zetterström, Grant, P. J. (2003) Guia de Aves – Guia de Campo das Aves de Portugal e Europa. Assírio & Alvim, Lisboa.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Zoo e Oceanário

Nada como começar o dia e dar um pulinho ao Zoo, desta vez sem a máquina fotográfica devido ao mau tempo, ou seja, foi apenas uma visita de rotina. Mas consegui que me levassem a máquina ao zoo quando o tempo abriu, e tirei meia dúzia de fotos.

Esta aqui foi para identificar que espécie é. Pode-se observar que é um Leopardo, Panthera, visto que as pintas (as do dorso veêm-se melhor) não possuem a mancha no interior característica dos jaguares. Logo posso finalmente concluir que se trata de um Leopardo (não sei que espécie) e que o zoo obteve dois exemplares, um deles de cor preta, os quais fazem parte do programa de conservação de espécies.

À tarde fui com a Anita ao oceanário, sendo um desafio mais chato para a fotografia, visto a grande falta de luz em comparação com o zoo. A companhia foi boa, embora uma "beca" chata, e até ajudou a tirar algumas fotos. Aqui podemos ver um Turaco de Faces Brancas, Tauraco leucotis, que é uma espécie de ave da família Musophagidae. É encontrada apenas nos três seguintes países, Eritreia, Etiópia e Sudão.

Tigre Branco - Panthera tigris


Um Tigre Branco, Panthera tigris, é um tigre com um gene recessivo o que lhe confere uma coloração pálida. Outra característica genética é o facto das riscas do tigre ficarem pálidas, dando-se o nome de "puro branco", isto acontece porque o tigre herda as duas cópias do gene recessivo para a coloração pálida, o que é raro.


Eles possuem um nariz e as pantufas das patas de cor rosa, pele cor de cinza, olhos azul-gelo e pelo branco a castanho claro com riscas pretas, cor cinza ou cor chocolate.

O zoo adquiriu dois exemplares desta "espécie" no âmbito do programa internacional de conservação, e espera que eles procriem para que existam novos exemplares deste magnífico animal. Eles passam o tempo todo a dormir, encontrando-se mais activos ao inicio do dia e ao amanhecer, onde normalmente dão um mergulho na piscina privada antes de irem deitar-se no abrigo nocturno.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Aliens na Terra??


Não sei bem o que isto é, parece uma abelha pelo comportamento apresentado e a coloração, mas ao mesmo tempo parece algo vindo de outro mundo. Os olhos parecem algo de outro mundo, só mesmo no mundo dos insectos é que podemos encontrar animais assim.

A foto não ficou bem focada, porque ele simplesmente não ficou quieto e depois simplesmente desapareceu... Ainda ando a tentar identificar o que será, quando tiver novidades actualizarei as informações aqui colocadas.